EXTRA: Órfãos do Unity 7 – Vão para o Ubuntu MATE

Depois que a canonical informou que não ia continuar o desenvolvimento do Unity 8, e que ia abandonar o Unity 7 também, e começar a utilizar o GNOME 3. Vários usuários do Unity 7 se viram perdidos (sou um deles), muitas pessoas não entendem como funciona o Unity 7 e quais as suas principais e valorosas características. Dentre elas estão o HUD (Heads-up Display), função que ajuda a fazer busca no menu do aplicativo, muito útil para aplicativos com vastas opções no menu, algo que dificulta a localização de um item, além de te dar a possibilidade de não precisar usar o mouse para poder ativar uma função no menu.

Uma das principais características no meu ponto de vista, que nenhuma outra interface (nem mesmo a do OSX) conseguiu realizar com maestria foi a união das barras de titulo, menu, notificações e botões da janela em uma mesma barra. Para exemplificar vemos as figuras a baixo:

Na figura vemos as 3 barras em somente uma. Economizando a área de trabalho. Diferente do modo como o OSX faz:

E muito diferente do que o Windows e outras opções disponibilizam.

Mas voltamos a “morte” do Unity, aproveitando dessa situação um outro sabor do Ubuntu já estava de olho nos usuários do Unity 7 (o Unity 8 não funcionava do mesmo modo que o 7 e estava em desenvolvimento, ninguém sabia ao certo o que ia ser na sua versão final), então, o pessoal do Ubuntu MATE aproveitou essa necessidade que iria aparecer e começou a desenvolver uma configuração que deixava sua interface “parecida” com o Unity a partir da versão 16.10 ou 16.04 (Não sei ao certo). E continuaram aprimorando essa interface, atualmente eles melhoram e muito o “Mutiny” como eles chamam sua opção do Unity. O Mutiny hoje já conta com o menu global funcional, o HUD funcionando muito bem, a barra de menu lateral, e a única coisa que estava faltando para ficar praticamente com as mesmas funções do Unity era os botões da Janela na mesma barra do Menu Global, algo que já foi resolvido, o usuário IKRadulov do github desenvolveu um applet para a barra que adiciona os botões da janela quando a mesma esta expandida.

Configurações do Applet.

Ainda não foi colocado nas PPAs oficiais mas pode ser acesso pelo github (https://github.com/IKRadulov/mate-window-applets) e instalado manualmente (se você não quiser esperar pelo lançamento). Vejo um futuro promissor para o MATE, e o quantitativo de usuários provavelmente vai aumentar. Boas novidades estão por vim na versão 17.10 que vai ser lançada no mês que vem. Já estou utilizando o Ubuntu Mate 17.10 dês da sua versão Alfa (Atualmente esta na versão Beta 1), e para falar a verdade estou gostando mais dela do que do Unity, é um sistema muito leve, o menu é simplista, sem efeitos gráficos, lembra o menu de aplicativos do Xubuntu.

Quando instalava o Ubuntu uma das primeiras coisas que eu fazia era desligar todos os efeitos visuais do Unity, para deixá-lo mais leve, não porque minha maquina era lenta, mas porque eu não via necessidade das mesmas, sempre achei o menu de aplicativos exagerado, gostava do jeito que o OSX realizava suas buscas (Command + Espaço) no Mutiny só apertar a tecla Win e digitar, algo rápido sem efeitos gráficos, sem ocupar a tela toda, e com a mesma funcionalidade (pelo menos a básica e principal). Outra desvantagem do Unity é que ele é um plugin do Compiz, algo meio que ultrapassado. Se os desenvolvedores do Ubuntu Mate continuarem com o ótimo trabalho que estão fazendo vamos ter um substituto a altura do Unity (algo que praticamente já temos) só aguardar o próximo lançamento.

O Martin Wimpress fez um post sobre as novidades da versão Beta 1, e já no título vemos como o desenvolvimento do Mate esta focado nos usuários do Unity.

“Unity 7 user? Join our Mutiny!”

https://ubuntu-mate.org/blog/ubuntu-mate-artful-beta1/

Você é fã do Unity ? O que você acha do Mutiny ? Já testou ? Deixe seus comentários.

Até mais !!!

Anúncios

Bye Ubuntu, Hello Arch

Sou usuário Linux a algum tempo (antes de 2004), e sempre fui entusiasta, não era da turma do Linux na faculdade, mas sempre apoiei, depois que entrei no mercado de trabalho comecei a usar cotidianamente o Linux, e já tinha deixado de lado o Windows. A alguns meses decidir abandonar o Ubuntu, não porque seja um sistema ruim, ou tenha “descoberto” um melhor, mas porque achei um outro sistema com uma “filosofia” que veio a meu gosto, o Arch Linux, gostei muito da ideia de não ter versão, pode instalar do zero as ferramentas que quero usar, com isso aprender mais sobre o sistema operacional, ter um repositório de usuários, sempre ter as ultimas versões das bibliotecas do sistema e dos aplicativos instalados. Ainda gosto muito do Ubuntu, acho um sistema estável, fácil e com uma ótima comunidade. Ainda o indico para quem esta começando no mundo GNU/Linux. Como sou entusiasta, gosto sempre de ver as novidades lançadas em ferramentas, o Arch veio como uma luva. Tem muita gente que não gosta de todo dia ter atualização de sistema para baixar, eu por outro lado acho uma ótima ideia, passa a impressão de continuidade de trabalho do desenvolvimento do SO. Fiquei preocupado com instabilidades, mas até agora o sistema esta rodando perfeitamente. Para quem quiser dar um passo a frente, e conhecer mais a fundo, indico o Arch Linux.

15403884_10154750994605917_8262192977389146803_o

PrintScreen depois de tudo instalado – XFCE4

Site do Arch Linux

Comunidade Arch Linux Brasil

 

Livro: O Codificador Limpo

Hoje venho indicar um livro, que acho que todo profissional na área de Desenvolvimento de software (até em outras áreas) devem ler.

“O CODIFICADOR LIMPO: UM CÓDIGO DE CONDUTA PARA PROGRAMADORES PROFISSIONAIS”

Livro: O Codificador Limpo

Foi um dos melhores livros que já li, o autor mostra através de suas experiências casos de sucesso e fracasso, e como se deve se comportar e porque. São várias historias, tudo bem explicado, te levando a debater os pontos de vista ali apresentados.

Para quem esta interessado em dar uma olhada nele tem uma amostra: O Codificador Limpo – Alta Books.

Abraço a todos !!!

 

First Step In Agile

Olá pessoal, no termino da minha especialização desenvolver um sistema de gerenciamento de atividades, bseado na metodologia Scrum, utilizando Wicket, Hibernate e Spring. Esta hospedado no github: https://github.com/tassiovirginio/firststepinagile, é bem fácil de instalar, e tem um tutorial interno explicando cada passo que deve ser feito. Para quem quer começar a aplicar o Scrum em uma pequena equipe vale a pena dar uma olhada. O sistema é opensource, toda ajuda para melhorar suas funcionalidades será vem vinda. Quem quiser dar uma olhada nele funcionando tem o Demo no Heroku: http://firststepinagile.herokuapp.com.

Até mais !!!

Control Point (Scala, Wicket, Spring, Hibernate)

Bom pessoa, como só agora tive tempo, venho cumprir o prometido, coloquei no Github o Sistema de Ponto que eu estava desenvolvendo para usar na empresa, era um projeto pessoal, e resolvi lança-lo como OpenSource. É meu primeiro projeto OpenSource, e com isso quem quiser dar algumas dicas de como mante-lo é bem vindo. O Sistema foi desenvolvido utilizando a linguagem Scala, e os frameworks: Wicket, Spring e Hibernate. A arquitetura dele esta proximo do MVC, com as classes de View, Entidades, Mediator e Dao’s. Ainda existe algumas classes  em Java. E algumas funções a serem melhoradas ou feitas. É uma boa forma de aprender Scala.

Espero o feedback de vocês.

Abraço.

link do projeto no github: https://github.com/tassiovirginio/controlpoint

Telas:

Wicket + Scala: Primeiros passos…

Achei interessante colocar um poste mostrando como fazer para utilizar a linguagem Scala com o framework Wicket. Inicialmente vamos utilizar o Eclipse Galileo (www.eclipse.org) com o plugin do Scala (www.scala-ide.org/). Com o plugin é possível fazer a integração no Eclipse de maneira transparente.

Com o ambiente pronto, vamos criar um projeto Wicket com o Maven:

mvn archetype:create -DarchetypeGroupId=org.apache.wicket -DarchetypeArtifactId=wicket-archetype-quickstart -DarchetypeVersion=1.4.10 -DgroupId=br.tassiovirginio.wicketscala -DartifactId=wicketscala

Logo apos vamos transformar em um projeto Eclipse: mvn eclipse:eclipse

Importe o projeto no Eclipse, depois clique com o botão direito no projeto, o menu selecione “configure”, depois Add Scala Nature. Agora vc já pode programar com Java e Scala no Projeto. 🙂

A estrutura do projeto contém  os seguintes arquivos do wicket:

HomePage.html
HomePage.java
WicketApplication.java
Primeiramente vamos substituir o arquivo WicketApplication.java por WicketApplicationScala.scala .
Em java:
package br.tassiovirginio.wicketscala;

import org.apache.wicket.protocol.http.WebApplication;

public class WicketApplication extends WebApplication
{
public WicketApplication(){}
public Class<HomePage> getHomePage(){
return HomePage.class;
}
}
Que vai ficar da seguinte maneira em Scala:
package br.tassiovirginio.wicketscala

import org.apache.wicket.protocol.http.WebApplication

class WicketApplicationScala extends WebApplication{
def getHomePage() = classOf[HomePageScala]
}
Agora vamos fazer o Mesmo com HomePage.java:
package br.tassiovirginio.wicketscala;

import org.apache.wicket.PageParameters;
import org.apache.wicket.markup.html.basic.Label;
import org.apache.wicket.markup.html.WebPage;

public class HomePage extends WebPage {

private static final long serialVersionUID = 1L;

public HomePage(final PageParameters parameters) {
add(new Label(“message”, “Primeiro exemplo Wicket + Scala“));
}
}
para HomePageScala.scala:
package br.tassiovirginio.wicketscala

import org.apache.wicket.PageParameters
import org.apache.wicket.markup.html.basic.Label
import org.apache.wicket.markup.html.WebPage

class HomePageScala(val parameters:PageParameters) extends WebPage {

add(new Label(“message”, “Primeiro exemplo Wicket + Scala”))
}

object HomePageScala{val serialVersionUID = 1L}
Agora vamos configurar o web.xml
onde tem -> br.tassiovirginio.wicketscala.WicketApplication
vai ficar -> br.tassiovirginio.wicketscala.WicketApplicationScala
Correção: Renomear o arquivo HomePage.html para HomePageScala.html.
E finalizamos nosso primeiro exemplo utilizando o Wicket e a linguagem Scala.
para rodar o projeto: mvn jetty:run
Comentem…. Abraços !!!


Wicket + Scala + Hibernate + Spring = Produtividade

Ola,

Já faz algum tempo que não posto no meu blog, teve muitas mudanças na minha vida… (Emprego, Cidade, Novos Desafios, novos Frameworks… etc etc etc).

Atualmente estou trabalhando na empresa com os seguintes frameworks  GWT, GXT, Hibernate, Spring, JodaTime, JUnit4, EasyMock entre outros que não lembro nesse momento.

Como eu gosto de novidades e desafios, aceitei uma proposta de um pequeno sistema de ponto para a empresa, coisa básica, para não ficar enferrujado com o Wicket (um framework que respeito muito) resolvi fazer o sistema usando-o.

Atualmente o sistema esta a 90% da especificação inicial. Para aumentar um pouco mais o desafio resolvi usar junto com a “linguagem”  java o scala também. Li alguns artigos sobre a linguagem e sobre seu poder, gostei muito de poder usa-la junto com meus códigos java. Atualmente estou passando os “*.java” para “*.scala”. Com isso estou matando dois coelhos com uma paulada só… estou aprendendo uma nova linguagem e implementando um sistema para a mesma.

Até agora já coloquei 30% do código em Scala. E o sistema continua funcionando perfeitamente.

Quando terminar aviso a vocês…

Quem quiser conversar a respeito da integração de todos os Frameworks usados é só me mandar um email.

-> tassiovirginio@gmail.com

Abraços

ps: Assim que tiver tempo, faço uma pequena aplicação mostrando a integração dos 4 frameworks.

Java, Scala, Akka, Wicket, GWT, GXT, Hibernate e Spring….